quarta-feira, abril 16, 2008

Manifesto anti-moral e sinteticamente (faria se fosse por extenso).

Manifesto anti-moral e sinteticamente (faria se fosse por extenso)

Por Inês Mariz que nem poeta é, quanto mais Tudo.




A moral é uma chatice.

A moral é uma obrigação.

A moral faz-nos caminhar pelo caminho

Que escolhemos como sendo aquele

Que queremos ou que achamos correcto,

Mesmo quando não temos coragem

De assumi-lo.


Morte à moral. Morte: PUM!


A moral é uma piroseira.

A moral usa pontos de exclamação!

A moral enfeita-se de sentimentos nobres

Numa época em que a nobreza

Já passou de moda.

A moral é um espelho

Que nos retrata tão fielmente

Que em vez da imagem catita

Que cumprimenta a vizinha do lado

(que por acaso tem uma filha bem bonita

e o marido é director de uma empresa de serviços

no Chiado)

E que paga a prestação do carro a tempo e horas

Como um cão fiel a lamber as botas do dono,

Eis que surge no espelho

Por virtude dessa puta da moral,

O nosso verdadeiro rosto:

Uma tenra e alva maçã light

Carcomida pelo bicho.

Sendo que o bicho só pode ser a moral

Porque nós ‘sermos’ corajosos e grandes

E politicamente correctos,

E ‘usarmos’ sapatos de salto alto.


Bicho? Mata-se a peçonha, mata-se já: PUM!


A moral é uma coisa tão ‘cota’

Que até dá consciência.

Sem moral até parece que somos livres…

A moral é uma prisão!

A moral agrilhoa-nos ao dever

De sermos superiores aos outros bichos,

repteis, e insectos rastejantes.


Abaixo a moral, abaixo!


Abaixo assinado,

A moral abaixo dos nossos pés.

Que ela nunca mais se levante,

Nem se sinta senhora do seu nariz,

E em vez de orgulho, sinta vergonha.

E nós cá de cima, a brilhar,

no nosso trono de lantejoulas baratas

com um prato na frente de carneiro com batatas, se fosse no século dezanove,

mas como é agora, serve feijoada na ponte.


Abaixo a moral, abaixo! – PUM!


A moral cheira mal dos pés

de tanto insistir em caminhar descalça.

A moral já nem dinheiro tem para comprar

Um par de sapatos.

Ela bem que podia ser rica.

Mas a desgraçada tem a arrogância

De se dar a ares de desprezo

Ao Sr. João mestre da grande loja,

Dos sapatos, claro está.


Fora com a moral. Fora. Uhhhhhhh


Por ser velha como a velha

Que cosia meias - Que coisa fora de uso! -

A moral tem macaquinhos no sótão,

E pulga atrás da orelha

E desconfia sempre

Da boa fé das pessoas.


Vivemos num tempo,

Em que tudo está tão invertido,

Que até a moral que antigamente era conservadora,

Tornou-se revolucionária.

A moral é um perigo.


Morra a moral morra. Pum!


(Do original, "Manifesto anti-dantas" que Almada de Negreiros escreveu. Inês parodiou).

3 comentários:

PintoRibeiro disse...

Morra. Viva a Ética, PIM!

Dumuro disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Hello, as you can see this is my first post here.
Hope to receive some assistance from you if I will have any quesitons.
Thanks in advance and good luck! :)